Soube hoje que partiu a fantástica Debbie Ford.
Esta senhora dedicou-se a descobrir e a ensinar a trabalhar a Sombra, o nosso lado reprimido.

Através do seu trabalho apaixonei-me pela minha Sombra e a apaixonar-me a Sombra dos outros. Para que estas partes de nós não sejam nossas inimigas, mas antes instrumentos de alcançarmos a nossa luz e a nossa maior grandeza.


Traduzirei grosseiramente as palavras da sua irmã Arielle no facebook.
A palavra que melhor descreve Debbie era ser uma “Buscadora”.


Na sua adolescência e durante os seus 20 anos, buscava excitação, festas, aventura selvagem e claro compras.
Nos seus trinta, começou a buscar entendimento sobre a mente, o corpo, ligação espiritual para se curar da adicção.
A partir, dos quarenta, dedicou-se a ensinar e partilhar o seu próprio processo de cura, enquanto buscava novos e mais profundos caminhos para a completude.


A sua missão foi cumprida. Hoje muitas pessoas estão mais conscientes porque ela abriu um caminho nunca antes revelado.
O maior tributo que sinto poder fazer é continuar nesta descoberta da minha Sombra e da dos outros.

Deixo aqui um excerto do seu livro “Quando as pessoas boas fazem coisas más”, que recomendo vivamente a todos.

Há estrelas que brilham mais no Céu. Debbie Ford é uma delas.

“O ponto fraco da psique humana, que muitas vezes é referido como o nosso lado sombrio, é a origem de todos os actos de auto-sabotagem. Nascido da vergonha, medo e negação desvia as nossas boas intenções e conduz-nos a actos impensáveis de autodestruição e não tão impensáveis de auto-sabotagem.

A vergonha e a negação alimentam o nosso lado sombrio por uma simples razão. Se aceitássemos as nossas fraquezas, imperfeições e defeitos como parte natural da nossa humanidade, teríamos a capacidade de pedir ajuda quando somos confrontados com um impulso com o qual não sabemos lidar. Aperceber-nos-íamos de que esses impulsos sombrios são uma parte natural da nossa humanidade que é necessário compreender e aceitar. Mas porque esses ímpetos não são explorados nem examinados, são envoltos em vergonha e negação e mantidos ocultos nas trevas. E é aí que o nosso self sombra, os apectos indesejados e negados de nós próprios, ganha mais poder até ser inevitável a explosão.

Todos os aspectos de nós próprios que negámos, todos os pensamentos e sentimentos que considerámos inaceitáveis e errados acabam por se dar a conhecer nas nossas vidas. Quando estamos a atarefados a construir um negócio, a criar uma familia ou a cuidar das pessoas que amamos, quando estamos demasiado ocupados para prestar atenção às nossas emoções, temos de esconder os nossos impulsos sombrios e qualidades revestidas de vergonha, o que nos coloca em risco de explosão exterior. Numa questão de minutos, quando menos esperamos, um aspecto rejeitado ou indesejado de nós próprios pode emergir e destruir as nossas vidas, as nossas reputações e todo o nosso trabalho esforçado.

Quantos mais actos flagrantes de auto-sabotagem temos de testemunhar até compreendermos os efeitos devastadores de negar e reprimir o nosso refugo emocional não processado?

(…) Pode ser uma coisa tão insignificante como arranjar uma discussão com o seu marido antes de sairem para um compromisso há muito adiado, ou criticar a sua filha à frente dos amigos depois de passar meses a edificar a sua confiança. Pode ser o adiamento da actualização do seu currículo e perder uma oportunidade fantástica, ou passar uma noite à frente do frigorífico depois de três meses de dieta. Talvez seja fazer um remoque para si próprio pensando que alguém já tinha desligado o telefone quando na realidade não tinha. (…) Na maior parte das vezes, a nossa dor não processada magoará muita gente. Muitas vidas serão prejudicadas, muitos corações ficarão destroçados e alguns espectadores serão apanhados pelos saplicos.

Comparemos as nossas emoções reprimidas e qualidades renegadas a lava humana. A lava existe sob a superfície da terra. Se não houver saídas de vapor à superfície da terra para aliviar a pressão da força poderosa que jaz sob ela, o único escape é sob a forma de erupção. De igual modo, os nossos desejos e impulsos sombrios acumulam-s ns nossas psiques e, a menos que encontremos maneiras seguras e saudáveis de as libertar, expressam-se de modos inadequados e potencialmente perigosos. Reconhecendo, aceitando e acolhendo o nosso lado sombrio criamos em nós respiradouros naturais. Facultando uma abertura, eliminamos a preocupação de uma explosão porque permitimos que a pressão seja liberta de uma maneira segura e apropriada. Mas, quando está esondida na sombra, reprimida pela vergonha e negada por medo, a sombra não tem alternativa senão explodir.

Devemos expor as duas forças contraditórias que existem dentro de cada um de nós: a força que nos obriga a expandir a nossa capacidade de dar e receber amort, a prestar atenção à nossa voz interior e a ser um membro contributivo da comunidade – e a força que nos controla, sabota os nossos melhores esforços e nos guia repetidamente numa direcção, que é inconsistente com os nossos objectivos mais grandiosos e valores mais profundos. É este o momento de abrirmos os olhos às razões pelas quais pessoas boas –  trabalhadoras, emprenhadas, bem-intencionadas, frequentadoras da igreja e contributivas – fazem coisas más; e olhar honestamente para o modo como nos tornamos no nosso pior inimigo.

Segundo uma citação atribuída ao grande psicólogo Carl Jung, há décadas, “Prefiro ser inteiro a ser bom”; por outras palavras, se tentarmos ser apenas “boas pessoas” separando-nos ou dissociando-nos dos impulsos mais sombrios que existem na estrutura do nosso ego, isolamo-nos precisamente  da essência da nossa humanidade. E, ao reprimir o nosso lado sombrio, só o convidamos a manifestar-se de formas doentias.

Nós, boas pessoas, fazemos coisas más quando fugimos aos nossos impulsos humanos básicos e negamos a dor, o descontenatemnto, o desgosto e impulsos conflituantes. Quando, pro vergonha, negamos que temos necessidades e fraquezas humanas, fechamos os olhos à nossa natureza essencial e ignoramos as necessidades dos nossos selves inferiores. Depois, isolados da parte mais pura de nós, da nossa origem, encontramo-nos vulneráveis a expressar pensamentos, comportamentos e impulsos que nunca pensámos serem possíveis.

A história de Jekyll e Hyde é um exemplo extremo, mas a verdade é que a maioria de nós serve dois donos. A consciência humana não é “uma peça única” mas sim múltipla, dinâmica e inconsistente, volátil e frágil. Ao esforçarmo-nos por manter a nossa consciencialização diária, prestando atenção ao que acontece à nossa volta e dentro de nós, o nosso primeiro dono incita-nos a maximizar essa consciência, a ser um “bom” ser humano que terá sucesso no empreendimento da vida. O nosso segundo dono, por outro lado, pede-nos para sermos outro tipo de recipiente: em vez de sermos um contentor para maior consciência, pede-nos para conter todos os conflitos, contradiçõesm ambiguidades, ironias, paradoxos e complexidades da vida humana, que podem entrar em erupção, muitas vezes não solicitada e apesar dos nossos desejos em contrário, corrompendo as nossas melhores intenções. É esta a condição precária da nossa experiência humana.

Estas duas forças opostas fazem parte da nossa configuração humana. Não há absolutamente nada que possamos fazer para eliminar qualquer uma delas, nem o quereríamos. Quando compreendermos amnas e as deixarmos actuar do modo como foram comcebidas, consderamo-nos eternamente gratos por possuirmos estas duas forças. Podemos esforçar-nos por reprimi-las, escondê-las, negá-las, ignorá-las e emudecê-las, mas estarão sempre lá, quer queiramos reconhecê-las ou não. Estarão sempre lá nos momentos de paz interior e nos momentos de conflito.”

Ler também ” A Luz da Nossa Sombra”, aqui.

X