Abraça a tua criança interior, abraçando-te a ti mismo e diz-lhe: “Pequenin@, amo-te tanto, vives no meu coração, não tenhas medo de te enganar, de cair ou de não entender; não tens que ser uma/um campeã/o, a super estrela, nem a menina boa, o homenzinho da mamã. Só tens que ser tu, com o teu sorriso espontâneo.
E se te enganares, meu amor, juntos vamos aprender a partir do erro, curando feridas da alma, corrigindo a falta, aprendendo o que tens que aprender, tolerando o que tens de tolerar.

Raquel Levinstein

retirado de http://ordenesdelamor.org/ e traduzido por Cláudia Félix Rodrigues

X