Uma peça importante da minha vida é o meu tambor. É um tambor de pele artificial que toca como um de pele animal. É um tambor com Alma, uma Alma tão maior que não se importa que outros o toquem, pedindo-me frequentemente que o passe para outros. Para que ele os sinta e os leve mais longe na sua expansão evolutiva.

O toque do tambor reconecta-nos com os nossos ritmos naturais, com todos eles. Pode levar-nos a uma viagem dentro de nós, em união com o Todo. Porque a vibração de um tambor, mesmo que o toquemos sózinhos, atinge frequências que não sabemos até onde chegam e que águas mexem, que corpos curam, que emoções despertam.
Os nossos corpos são constituídos por uma larga percentagem de água (60 a 75%). A água é também símbolo das emoções e com frequência está estagnada. Ao nível físico estagna porque não nos mexemos, não usamos o corpo, negamos a nossa condição terrena física. Ao nível emocional porque fechamo-nos nas nossas emoções, recusamos sentir, recusamos evoluir, sair da zona de conforto.
É por isso que o toque do tambor, à semelhança de outros sons, nos renova. O toque do tambor tem uma característica particular: liga-nos à Vida. Á Vida conectando-nos ao ritmo natural da Mãe-Terra, à Vida do útero materno quando o “tambor” era o coração da nossa Mãe.
O toque do tambor tira-nos do estado zen a que tantos aspiram acabando por desenraizar-se. Coloca-nos novamente no presente, no momento e lugar onde estamos, a viver ao ritmo do nosso coração.
Nessa reconexão ao ritmo, ao corpo, por vezes, percebemos que deixámos o nosso coração abrandar, que perdemos a paixão, a vitalidade. Desconectámo-nos tanto da Terra, porque ficámos tão tristes ou tão desiludidos ou tão feridos ou tão zen que já não sentimos o corpo e também o coração começou a bater mais devagar. Confrontarmo-nos com isso pode ser doloroso, em especial se resistirmos a enraizar.
Outras vezes, percebemos que afinal o que pensavamos ter já perdido ainda existe dentro de nós: ritmo, paixão, Vida!
Para ambas as situações, o truque é deixarmos o tambor tocar-nos, mexer com a nossa água. E quiçá tocarmos nós o tambor como manifestação da nossa vontade de reconexão, de renovação. Deixarmo-nos voltar a entrar no corpo, a entrar na Vida.

X