Tudo aquilo em que lhe ensinaram a acreditar em criança continua dentro de si.
Se os seus pais tinham ideias muito rígidas e vocêainda é uma pessoa muito dura ou com tendência para construir paredes à sua volta, muito provavlemente a criança dentro de si continua a seguir as regras que os seus pais lhe impuseram.
Se ao mínimo deslize entra logo a matar, então a Criança em si deve até ter medo só de acordar pela manhã. “Qual vai ser hoje o motivo para implicar comigo?”

O que os seus pais lhe fizeram no passado, situa-se ao nível do seu estado de consciência.

Agora os pais somos nós. Temos a nossa própria consciência.
Se ainda assim se recusa a tomar conta da criança em si, então está preso num ressentimento farisaico. Isso significa, invariavelmente, que ainda existe alguém por perdoar. O que falta perdoar? Que coisa é essa que precisa de esquecer? Seja o que for, solte isso.


Se não dermos carinho e atenção á criança dentro de nós, já não podemos atribuir mais as culpas aos nossos pais. Naquela altura, eles fizeram aquilo que achavam que estava certo. Agora somos nós quem sabe aquilo que é preciso fazer para alimentar a criança dentro de nós.

As pessoas que tenham tido ou tenham um animal de estimação sabem muito bem como eles nos recebe quando chegamos a casa. Não lhe interessa de todo a roupa que trazemos vestida, Pouco lhe importa a idade que temos, se temos rugas ou se naquele dia ganhámos muito ou pouco dinheiro. O valor essencial é estarmos ali. Aquele animal ama-nos sem condições.

Faça o mesmo por si. Espante-se com o facto de estar vivo, como o facto de estar aqui. Você é a pessoa que vai viver consigo para todo o sempre.

Enquanto não estiver preparado para amar a criança dentro de si vai ser muito difícil as outras pessoas amarem-no realmente. 
Aceite-se a si mesmo, sem condições e com a máxima abertura.

“O Poder está Dentro de Si” de Louise Hay

X