(…) A intuição é o tesouro da psique da mulher. Ela é como um instrumento de adivinhação, como um cristal através do qual se pode ver com uma visão interior excepcional. Ela é como uma velha sábia que está sempre com você, que lhe diz exatamente qual é o problema, que lhe diz exatamente se você deve virar à esquerda ou à direita.

(…) Esse enorme poder, o da intuição, tem a rapidez de um raio e é composto de visão interior, audição interior, percepção interior e conhecimento interior.

Durante gerações a fio, esses poderes intuitivos transformaram-se em correntes subterrâneas dentro das mulheres, enterradas pelo descrédito e pela falta de uso.

No entanto, Jung uma vez observou que nada jamais se perde na psique. Podemos ter a confiança de que tudo o que foi perdido na psique ainda está lá. Portanto, esse repositório da intuição instintiva das mulheres nunca se perdeu realmente, e tudo o que estiver encoberto poderá voltar a ser exposto.

(…) Esse dramático definhamento psicológico da mãe ocorre pela primeira vez quando a menina passa do ninho acolchoado da pré-adolescência para a selva frenética da adolescência. Para algumas meninas, porém, o processo de desenvolver uma mãe interior nova, mais esperta — a mãe chamada intuição — está apenas pela metade nessa época, e as mulheres com uma formação desse tipo vagueiam anos a fio desejando profundamente a experiência completa da iniciação e se ajeitando da melhor maneira possível.

Essa interrupção no processo iniciático da mulher ocorre por vários motivos, como por exemplo quando houve um excesso de problemas psicológicos no início da vida — quando não houve uma presença uniforme da mãe “suficientemente boa” nos primeiros anos de vida.
A iniciação pode também ser suspensa ou ficar incompleta por não haver tensão suficiente dentro da psique — a mãe-boa-demais tem a resistência de uma espantosa erva daninha e sobrevive, agitando suas folhas e superprotegendo a filha muito embora o texto diga, “Sai de cena, pelo lado esquerdo, AGORA.” Numa situação dessas, as mulheres muitas vezes se sentem tímidas demais
para seguir adiante e entrar na mata, oferecendo toda a resistência possível.

Para elas, bem como para outras mulheres adultas a quem os rigores da própria vida isolam e distanciam da sua vida profundamente intuitiva e cuja queixa muitas vezes é a de estarem extremamente cansadas de cuidar de si mesmas, existe uma cura eficaz e sábia. Uma retomada da investigação ou uma nova iniciação irá restabelecer a intuição profunda, independente da idade de uma mulher. E é a intuição profunda que sabe o que é bom para nós, o que precisamos em seguida e chega a esse conhecimento com uma rapidez incrível… bastando que prestemos atenção ao que ela indique.

in “Mulheres que correm com Lobos”

X